Início > Virtualização > Utilização das Maquinas Virtuais

Utilização das Maquinas Virtuais

12/05/2010

Resumo das principais utilizações práticas de Maquinas Virtuais ( Virtual Machines – VMs ) no mercado :

As máquinas virtuais são utilizadas para inúmeras finalidades, quebrando barreiras que os administradores de datacenters enfrentam todos os dias. Estas finalidade são:

–          Consolidação de servidores – consolidar workloads de máquinas subutilizadas em poucas máquinas, economizando hardware, gerenciamento e administração da infra-estrutura;

–          Consolidação de aplicações – aplicações legadas que necessitam executar em um novo hardware, diferente do hardware para qual foram projetadas. Virtualizando o hardware, essas aplicações podem continuar executando normalmente;

–          Ensino e aprendizagem – máquinas virtuais podem ser usadas no ensino de sistemas operacionais, aplicativos, ferramentas de desenvolvimento ou qualquer sistema. Uma VM pode ser facilmente substituída por outra VM, caso ocorra algum erro durante o uso da mesma, ou na preparação de uma nova classe de aula;

–          Ambientes múltiplos de execução – a virtualização pode prover múltiplos ambientes de execução e aumentar a disponibilidade de recursos para as aplicações;

–          Hardware virtual – por meio da virtualização, pode-se prover um hardware que não exista na máquina real, como drives SCSI virtuais, interfaces virtuais de rede e outros;

–          Migração de software – facilita a migração de software e sistemas operacionais como, por exemplo, a adoção de uma nova versão do Windows;

–          Múltiplos Sistemas Operacionais simultâneos – vários sistemas operacionais podem executar simultaneamente, fazendo que uma gama maior de aplicações seja executada ao mesmo tempo.

–          Appliances – indivíduos ou organizações podem disponibilizar uma aplicação escrita para um SO como um appliance (conjunto de softwares empacotados e prontos para executar), distribuindo toda a infraestutura necessária para que esta aplicação rode corretamente;

–          Debugging – a virtualização pode prover a um desenvolvedor de aplicações um ambiente de teste ou desenvolvimento idêntico ao fisico. Nas versões mais novas, o desenvolvedor tem a possibilidade de voltar no tempo a execução da máquina virtual para analizar variáveis;

–          Honeypots e honeynets – um honeypot é um sistema colocado em uma rede com o objetivo de ser comprometido. Uma honeynet é uma rede formada por vários honeypots. A grande vantagem de se utilizar VMs em uma honeynet é não comprometer a rede real, sendo os ataques confinados às honeynets. Assim, quando um dos honeypots é comprometido, pode ser substituído por outro de forma mais fácil;

–          Sandboxing – máquinas virtuais podem prover um ambiente seguro e isolado para a execução de aplicações não confiáveis, ou de fontes não seguras;

–          Testing/QA – a virtualização torna possível produzir cenários de teste considerados difíceis de produzir em máquinas reais e, assim, facilitam o teste de software. Um conjunto de máquinas virtuais pode ser criado para fazer um teste especifico, e quando finalizado, os recursos, como CPU e memória, são liberados para a criação de novas máquinas de teste. Contudo, a virtualização traz um melhor re-aproveitamento e a facilidade de criar e re-criar ambientes de testes ou de qualidade.

Anúncios
Categorias:Virtualização